Publicações‎ > ‎

Livro 2ª Edição

Publicações >> Informática e Competências Tecnológicas para a Sociedade da Informação

Encomendar o livro na editora

Nuno Magalhães Ribeiro, Luís Borges Gouveia, Paulo Rurato, Rui Moreira
Informática e Competências Tecnológicas para a Sociedade da Informação
2ª Edição, Fevereiro de 2005
Edições Universidade Fernando Pessoa
302 páginas, Dimensões:25,5x20
ISBN: 972-8830-30-0
Preço de capa: 10,00 €

Descrição do livro
Índice de matérias
Capítulo 1 do Livro
CV dos autores
Encomendar livro on-line
Edições Universidade Fernando Pessoa

 


Descrição do livro

Os autores propõem uma visão clara, integrada e aplicada dos conceitos e tecnologias informáticas que sustentam as competências imprescindíveis no âmbito da Sociedade da Informação.

O livro inclui um texto de introdução sobre as tecnologias de informação.

São também introduzidas ferramentas associadas às competências fundamentais ao nível das aplicações de produtividade, incluindo o processamento de texto, as folhas de cálculo, as apresentações multimédia, e breves noções sobre redes informáticas, nomeadamente a Internet e os seus serviços que esta disponibiliza.

Índice de matérias

Prefácio

Prefácio à 2ª edição

Capítulo 1 Sociedade da Informação e Competências

1.1. Introdução

1.2. Sociedade da Informação e do Conhecimento

1.3. Competências do indivíduo para a Sociedade da Informação

1.4. Contributo para o desenvolvimento de competências

Capítulo 2 Introdução aos Computadores e Aplicações

2.1. Motivação

2.2. Definições

2.2.1. Conceito de Informática

2.2.2. Conceito de Computador

2.3. História e gerações de computadores

2.4. Características dos computadores

2.4.1. Classificação dos computadores

2.4.2. Velocidade do processador e de processamento

2.4.3. Representação binária da informação

2.4.4. Conceitos de hardware e software

2.5. Componentes de hardware do computador

2.5.1. Arquitectura do computador

2.5.2. CPU

2.5.3. Memória

2.5.4. Barramentos

2.5.5. Relógio interno

2.5.6. Periféricos

2.5.7. Execução de programas

2.6. Periféricos do computador

2.6.1. Portas série e portas paralelo

2.6.2. Teclado

2.6.3. Monitor e placa gráfica

2.6.4. Impressora

2.6.5. Scanners e máquinas fotográficas digitais

2.6.6. Modems

2.6.7. Placas de som

2.6.8. Suportes de armazenamento secundário de informação

2.6.8.1. Discos rígidos magnéticos

2.6.8.2. Disquetes

2.6.8.3. Discos ópticos

2.7. Manutenção de computadores portáteis

2.7.1. Cuidados com o equipamento informático

2.7.2. Cópias de segurança

2.7.3. Vírus informáticos e prevenção

2.7.4. Licenças de software

2.8. Questões para auto-avaliação

Capítulo 3 Introdução ao Sistema Operativo MS Windows

3.1. Software e sistemas operativos

3.2. Características do MS Windows

3.3. Ambiente de trabalho do MS Windows

3.4. Área de trabalho

3.4.1. Menu Iniciar

3.4.2. Barra de tarefas

3.4.3. O Meu Computador

3.4.4. Manipulação das Janelas das Pastas

3.4.5. Transferência de informação

3.5. Gestão de ficheiros

3.5.1. Unidades lógicas e partições

3.5.2. Organização de Pastas e Ficheiros

3.5.2.1. Propriedades e atributos de pastas e ficheiros

3.5.2.2. Localização de pastas e ficheiros

3.5.2.3. Atalhos

3.5.3. Utilização do rato para a gestão de ficheiros

3.5.3.1. Acções de gestão de ficheiros com o botão esquerdo do rato

3.5.3.2. Acções de gestão de ficheiros com o botão direito do rato

3.5.4. Gestão de ficheiros utilizando as Janelas das Pastas

3.5.4.1. Menus das Janelas das Pastas

3.5.5. Gestão de ficheiros utilizando o Explorador do Windows

3.5.6. Gravação de ficheiros em discos CD

3.6. Gestão de Recursos

3.6.1. Painel de controlo

3.6.2. Configuração de impressoras

3.6.3. Configuração da Barra de Tarefas e do Menu Iniciar

3.7. Acessórios do Windows

3.7.1. Calculadora

3.7.2. Paint

3.7.3. WordPad

3.8. Questões para auto-avaliação

3.9. Exercícios de utilização do sistema operativo MS Windows

3.9.1. Exercícios de ambientação com o ambiente de trabalho

3.9.2. Exercícios de gestão de ficheiros

3.9.2.1. Utilizar o Explorador do Windows para realizar a gestão de ficheiros

3.9.2.2. Utilizar as Janelas das Pastas para realizar a gestão de ficheiros

3.9.3. Exercícios de gestão de recursos

3.9.3.1. Configuração do ambiente de trabalho

3.9.3.2. Configuração de impressoras

3.9.3.3. Configuração do menu Iniciar

3.9.4. Exercícios de utilização dos acessórios do Windows

3.9.4.1. Exercícios com o Paint

3.9.4.2. Exercícios com o WordPad

Capítulo 4 Processamento de Texto

4.1. Introdução

4.1.1. Conceito do processamento de texto

4.1.2. O MS Word

4.2. Ambiente de trabalho do processador de texto

4.3. Operações básicas de gestão de documentos de texto

4.4. Utilização de modelos de documentos

4.5. Modos de visualização do documento de texto

4.5.1. Modo Normal

4.5.2. Modo Esquema de Impressão

4.5.3. Modo Destaques

4.5.4. Modo ecrã completo

4.5.5. Modo Esquema Web

4.5.6. Modo Zoom

4.6. Edição electrónica e revisão de texto

4.6.1. Inserção de texto

4.6.2. Selecção de texto

4.6.3. Eliminação de texto

4.6.4. Cópia de texto

4.6.5. Movimentação de texto

4.7. Ferramentas de apoio à edição electrónica de texto

4.7.1. Anular e repetir acções

4.7.2. Pesquisa e substituição de texto

4.7.3. Automatização da inserção de texto

4.7.4. Verificação ortográfica e gramatical

4.7.5. Inserção de equações ou expressões matemáticas

4.8. Formatação de texto

4.8.1. Formatação do tipo, dimensão e estilo de letra

4.8.2. Formatação de parágrafos

4.8.3. Formatação de tabulações

4.8.4. Formatação de contornos e sombras

4.8.5. Formatação de listas com marcas e numeração

4.8.6. Estilos de formatação

4.9. Organização do documento de texto

4.9.1. Secções e quebras de página

4.9.2. Inserção de cabeçalhos e rodapés

4.9.3. Inserção de notas de rodapé

4.9.4. Criação de índices e tabelas de conteúdos

4.10. Inserção de ilustrações e objectos gráficos

4.10.1. Inserção de imagens bitmap provenientes de ficheiros

4.10.2. Ajuste do texto com ilustrações

4.10.3. Inserção de imagens e gráficos produzidos em outras aplicações

4.10.4. Inserção de desenhos com figuras geométricas simples

4.11. Utilização de Tabelas

4.11.1. Estrutura de uma tabela

4.11.2. Criar uma tabela

4.11.3. Seleccionar linhas e colunas de uma tabela

4.11.4. Inserir e eliminar linhas de uma tabela

4.11.5. Inserir e eliminar colunas de uma tabela

4.11.6. Formatar os contornos de uma tabela

4.11.7. Formatar a dimensão das células de uma tabela

4.11.8. Formatar o alinhamento do texto contido nas células de uma tabela

4.12. Utilização de colunas

4.13. Impressão de documentos de texto

4.13.1. Configuração das páginas do documento de texto

4.13.2. Antevisão do documento

4.13.3. Impressão do documento

4.14. Questões para auto-avaliação

4.15. Exercícios de processamento de texto

Capítulo 5 Folha de Cálculo

5.1. Introdução

5.1.1. Conceito de folha de cálculo

5.1.2. O MS Excel

5.2. Ambiente de trabalho da folha de cálculo

5.3. Noções fundamentais sobre folhas de cálculo

5.3.1. Folha de trabalho, célula e endereço

5.3.2. Livro de trabalho

5.3.3. Folha de gráficos, bases de dados e macro

5.4. Operações básicas de gestão de livros de trabalho

5.5. Utilização e edição de folhas de trabalho

5.5.1. Modos de visualização da folha de trabalho

5.5.2. Manipulação de folhas de trabalho

5.5.3. Selecção de células

5.5.4. Edição de dados nas células

5.5.5. Eliminação do conteúdo de células

5.5.6. Cópia e movimentação do conteúdo de células

5.5.7. Preenchimento automático de células

5.5.8. Inserção de linhas, colunas e células

5.5.9. Eliminação de linhas, colunas e células

5.6. Ferramentas de apoio à edição de folhas de trabalho

5.6.1. Anular e repetir acções

5.6.2. Pesquisa e substituição de texto

5.6.3. Automatização da inserção de dados

5.7. Utilização de fórmulas e funções

5.7.1. Tipos de valores

5.7.2. Operadores

5.7.2.1. Tipos de operadores

5.7.2.2. Precedência dos operadores

5.7.3. Tipos de referências

5.7.3.1. Referências absolutas

5.7.3.2. Referências relativas

5.7.3.3. Referências mistas

5.7.3.4. Referências circulares

5.7.3.5. Referências a outras folhas de trabalho

5.7.3.6. Referências tridimensionais

5.7.3.7. Referências externas

5.7.3.8. Referências remotas

5.7.4. Funções

5.7.4.1. Funções estatísticas

5.7.4.2. Funções matemáticas e trigonométricas

5.7.4.3. Funções de calendário (data e hora)

5.7.4.4. Funções de texto

5.7.4.5. Funções informativas

5.7.4.6. Funções de pesquisa

5.7.4.7. Funções lógicas

5.7.4.8. Resumo das funções principais do MS Excel

5.7.5. Séries de valores

5.8. Formatação de folhas de trabalho

5.8.1. Formatação de células

5.8.1.1. Formatações numéricas e textuais

5.8.1.2. Formatação do alinhamento da informação

5.8.1.3. Formatação do tipo de letra

5.8.1.4. Formatação de contornos e preenchimento

5.8.1.5. Protecção de células

5.8.2. Redimensionamento de linhas e colunas

5.8.3. Ordenação de dados nas células de uma coluna

5.9. Criação e formatação de gráficos

5.9.1. Elementos dos gráficos

5.9.2. Tipos de gráficos

5.9.3. Criação de gráficos

5.9.4. Edição de gráficos

5.10. Manipulação de bases de dados

5.10.1. Utilização de listas como bases de dados

5.10.1.1. Técnicas para a criação de listas

5.10.1.2. Criação e manutenção de listas utilizando o formulário de dados

5.10.2. Ordenação de informação de uma lista

5.10.3. Filtragem de uma lista

5.10.3.1. Filtros automáticos e filtros personalizados

5.10.3.2. Filtros Avançados

5.10.4. Totalização de informação

5.10.4.1. Noção de subtotais

5.10.4.2. Inserção de subtotais numa lista

5.10.4.3. Inserção de vários níveis de subtotais

5.10.4.4. Inserção de subtotais em partes seleccionadas da lista

5.10.4.5. Visualização dos dados totalizados sem o detalhe

5.10.5. Tabelas dinâmicas

5.10.5.1. Noção de tabelas dinâmicas

5.10.5.2. Funcionamento das tabelas dinâmicas

5.10.5.3. Criação de tabelas dinâmicas

5.10.5.3.1. Exemplo de criação de uma tabela dinâmicas simples

5.10.5.3.2. Exemplo de criação e manipulação das propriedades da tabela dinâmica

5.10.5.3.3. Exemplo de criação de uma tabela dinâmica alternativa

5.11. Impressão da folha de trabalho

5.11.1. Formatação de página para impressão

5.11.2. Área de impressão

5.11.3. Antevisão do documento

5.11.4. Impressão do documento

5.11.5. Alternativas à impressão

5.12. Transferência de informação entre o MS Excel e o MS Word

5.13. Questões para auto-avaliação

5.14. Exercícios de folha de cálculo

Capítulo 6 Apresentações Multimédia

6.1. Introdução

6.1.1. Conceito de multimédia e suas aplicações

6.1.2. O MS Powerpoint como ferramenta multimédia

6.2. Ambiente de trabalho da criação de apresentações multimédia

6.3. Operações básicas de gestão de apresentações

6.4. Edição e formatação de apresentações

6.4.1. Modos de visualização da apresentação

6.4.2. Estrutura e esquemas dos diapositivos

6.4.2.1. Esquema do diapositivo

6.4.2.2. Esquema de cores dos diapositivos

6.4.2.3. Esquema de apresentações – modelo global

6.4.3. Anular e repetir acções

6.4.4. Edição e formatação de texto

6.4.4.1. Edição de texto

6.4.4.2. Formatação de texto

6.4.4.3. Utilização de marcas e numeração

6.4.4.4. Utilização de caixas de texto

6.4.5. Inserção de objectos gráficos

6.4.6. Inserção de imagens, áudio e vídeo

6.4.7. Inserção de gráficos e tabelas

6.5. Automatização da apresentação

6.5.1. Efeitos de transição dos diapositivos

6.5.2. Efeitos de animação do texto e objectos gráficos dos diapositivos

6.5.3. Esquemas de animação dos diapositivos

6.5.4. Inserção de anotações nos diapositivos

6.5.5. Utilização de hiperligações

6.5.5.1. Criação de hiperligações para outros diapositivos de uma apresentação

6.5.5.2. Criação de hiperligações para sítios Web e ficheiros

6.5.5.3. Modificação de hiperligações

6.5.6. Reprodução de uma apresentação

6.6. Organização da apresentação

6.6.1. Organização de diapositivos

6.6.2. Cabeçalhos e rodapés

6.7. Impressão da apresentação

6.8. Exercícios de criação de apresentações multimédia

Capítulo 7 Redes de Computadores e Serviços Internet

7.1. Introdução

7.2. Conceitos fundamentais sobre redes de comunicações de dados

7.3. Internet

7.3.1. Breve história da Internet

7.3.2. O que é a Internet?

7.3.2.1. Princípio de funcionamento da Internet

7.3.2.2. Nós de comutação

7.3.2.3. Unicidade de endereços

7.3.2.4. Serviço de nomes

7.3.3. Serviços disponibilizados pela Internet

7.3.3.1. Correio electrónico (e-mail)

7.3.3.2. Serviço de comunicação em tempo real (Chat ou IRC)

7.3.3.3. Serviço de transferência de ficheiros (FTP)

7.3.3.4. Serviço World Wide Web

7.4. Exercício prático de criação de páginas Web em HTML

Capítulo 8 Epílogo: Aumentando as Competências Básicas

8.1. De que tratou o texto

8.2. Ainda sobre as ferramentas de produtividade

8.3. O digital: novos sinais para o tempo e o espaço

8.4. Nota final

Soluções das questões para auto-avaliação

Bibliografia

Recursos on-line e publicações periódicas


Capítulo 1 do Livro

CAPÍTULO 1
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E COMPETÊNCIAS

1.1 Introdução

As Tecnologias da Informação e da Comunicação – TICs – estão cada vez mais presentes nas nossas actividades enquanto profissionais ou simplesmente enquanto seres humanos, criadores de conhecimento e utilizadores da informação.

A forma como nos organizamos, trabalhamos, divertimos e até pensamos, é influenciada pela utilização das tecnologias, que deixam assim o seu papel, de ser apenas mais um instrumento, para ocuparem o papel de mediadores entre a informação e as capacidades e necessidades de indivíduos e organizações.

Estes dois parágrafos apontam tendências que qualquer um de nós pode reconhecer ou, em oposto, não compreender. Esta dualidade de posições é precisamente um dos perigos que enfrentamos, qualquer que seja a nossa profissão ou responsabilidade e independentemente da nossa capacidade de lidar com a informação. O nosso valor, enquanto elementos úteis à sociedade sai, também ele, afectado dos conhecimentos que possuímos das Tecnologias de Informação e do Conhecimento, e da forma como conseguimos potenciar esse conhecimento para fazer, talvez mais, melhor e com menor esforço, mas acima de tudo, como forma de garantir um papel actuante em termos de cidadania e da nossa capacidade de continuar a aprender e evoluir. Tal resulta em seres humanos mais educados e mais habilitados, para intervir na Sociedade da Informação e do Conhecimento.

É precisamente com esta preocupação em mente, que este texto foi construído entre os seus três autores, de modo a contribuir para assegurar que o máximo de indivíduos possam utilizar o computador e algumas das suas aplicações mais básicas, não como um instrumento, mas acima de tudo como uma tecnologia que permita um diálogo perene e actuante para garantir que nos encontremos do lado dos “inforicos”.

1.2 Sociedade da Informação e do Conhecimento

A Sociedade da Informação e do Conhecimento é já um facto. Hoje em dia, fala-se em um número crescente de circunstâncias da Internet, dos computadores, da economia digital, da TV interactiva, da 3ª geração de telemóveis, e de tudo o mais que vai mudar… a começar pela forma como trabalhamos, nos divertimos, aprendemos e ensinamos, viajamos e sobretudo nos relacionamos uns com os outros.

Na Sociedade da Informação e do Conhecimento, onde quase tudo parece ter uma sombra digital, dois factores apresentam grande transformação quando comparados com o que se aceita ser o seu significado tradicional: o tempo e o espaço.

Um outro aspecto importante é o digital. De facto, contrapondo o físico, isto é, a realidade dos átomos, ao digital, que incluindo a informação, é virtual, temos características e necessidades bem diferentes para as quais necessitamos de outras competências e capacidades. A Sociedade da Informação e do Conhecimento, pode ser caracterizada como uma sociedade em que as interacções entre as pessoas são, predominantemente, realizadas de forma digital.

A Sociedade da Informação é um conceito utilizado para descrever uma sociedade e uma economia que faz o melhor uso possível das Tecnologias de Informação e da Comunicação. Numa Sociedade da Informação, as pessoas aproveitam as vantagens das tecnologias em todos os aspectos das suas vidas: no trabalho, em casa e no lazer. Exemplos destas tecnologias são a utilização das caixas automáticas para levantar dinheiro e outras operações bancárias, os telemóveis, o teletexto na televisão, a utilização do serviço de telecópia (fax) e outros serviços de comunicação de dados como a Internet e o correio electrónico.

Estas tecnologias têm implicações em todos os aspectos da nossa sociedade e economia. Estão a mudar a forma como nós fazemos negócios, como aprendemos e gastamos o nosso tempo de descanso. Igualmente, a Sociedade de Informação apresenta novos desafios para os nossos representantes legais na gestão do País, nomeadamente na necessidade de considerar novas leis, novos meios de educação, incentivar novas formas de fazer negócios e facilitar o acesso a serviços do governo por meios electrónicos. Face a esta nova realidade (digital), o que vale a pena aprender?

1.3 Competências do indivíduo para a Sociedade da Informação

Face à mudança do físico para o virtual, e à importância crescente das interacções baseados no digital, é necessário reflectir sobre quais as competências que importa desenvolver.

Parecem existir competências que convém assegurar num indivíduo para que este tire o máximo partido das oportunidades que surgem, resultantes do impacto da Sociedade da Informação e do Conhecimento. Entre as várias competências que se podem associar a cada individuo enquanto profissional, nomeadamente o conhecimento de técnicas e conceitos da sua área de actuação, podem ser também consideradas competências gerais que auxiliam qualquer um de nós a melhorar a sua capacidade de intervenção enquanto indivíduo, profissional e cidadão:

  • Capacidade de concretização, isto é, de saber fazer e saber reproduzir em novas situações e contextos.
  • Capacidade de trabalho, em especial, trabalho em grupo, quer como líder e orientador de grupo, quer nas competências de diálogo e de partilha de informação e conhecimento.
  • Flexibilidade e versatilidade, para operar em diferentes contextos e tomar decisões face à mudança.
  • Capacidade de auto-estudo, de aprender tanto através da própria prática como pela própria necessidade.
  • Capacidade de análise/síntese, como forma de assegurar o seu papel de comunicador;
  • Criatividade, tanto em termos de liderança, como de propor novas perspectivas, de tomar atitudes ganhadoras e ser proactivo.
  • Capacidade de articular ideias e de inovar, em especial ser capaz de se expressar na língua nativa e numa segunda língua com fluência. Inovar, no sentido, de propor novas formas de resolver velhos problemas e melhorar soluções existentes.
  • Capacidade de pensamento crítico: ser capaz de filtrar e avaliar a qualidade e mesmo veracidade da informação que é disponibilizada. Cada indivíduo deve ser capaz de efectuar a escolha de que informação usar e determinar o seu grau de utilidade.

Em complemento ao indivíduo, há que considerar igualmente a comunidade. A comunidade é entendida aqui como a associação de indivíduos com interesses comuns. Cada indivíduo pode pertencer a mais de uma comunidade de acordo com os seus interesses e competências. A noção de pertença a um dado grupo, é mais o resultado da contribuição dada a esse grupo, que uma medida administrativa de afiliação.

1.4 Contributo para o desenvolvimento de competências

Com base na discussão das competências para a Sociedade da Informação e do Conhecimento, todos os indivíduos com responsabilidades e devidamente educados para enfrentar a sociedade devem ter conhecimentos em quatro áreas relacionadas com as Tecnologias de Informação e da Comunicação:

  • Desenvolvimento do processamento de dados e informação: o que de novo é possível utilizar (programas, aplicações e técnicas) para tratamento de dados e informação que permitam fazer o mesmo, mas de forma diferente, ou fazer o mesmo, mas com menor custo e/ou esforço, ou ainda, a criação de novos meios e técnicas de obtenção quer de dados, quer de informação.
  • Conceitos básicos de hardware e software (material e lógica) e dos ambientes específicos que estes geram: desta forma, quer os sistemas de computador, quer os equipamentos a estes associados podem influir tanto na nossa eficiência (aproveitamento dos recursos disponíveis) e eficácia (grau de sucesso dos objectivos propostos) do nosso desempenho, como constituírem-se em potenciadores da nossa actividade, acrescentando valor e permitindo a obtenção de novo e mais conhecimento.
  • Impacto social resultante do uso de computadores e tecnologias associadas: muitas vezes designado por informática social, constitui uma área de saber que examina a concepção, usos e consequências das Tecnologias de Informação e da Comunicação nos modos em que são usadas para interacção entre indivíduos, nas organizações e tomando em consideração contextos culturais bem definidos. Cabem aqui preocupações tão diferentes como as novas formas de trabalho (de que o teletrabalho é um exemplo), o risco social de uma nova exclusão – a info-exclusão, ou muito simplesmente, as novas competências que um indivíduo deve possuir enquanto profissional, preparado para a Sociedade da Informação e do Conhecimento.
  • Modos de utilização dos computadores e das TICs em diferentes áreas do saber: em um tempo em que os saberes de diferentes áreas de conhecimento são cada vez mais fonte de inspiração, uma postura multidisciplinar permite uma maior compreensão do que nos envolve e das transformações que ocorrem.

Desta forma, este texto de introdução aos computadores e ao seu uso, tem por objectivo contribuir para o desenvolvimento de cidadãos mais informados e, desta forma, com maior capacidade de actuação na Sociedade e Informação e do Conhecimento.

São objectivos do texto, o fornecimento de um conjunto de competências que se enquadram no que foi anteriormente referido, nomeadamente, a capacidade de cada indivíduo:

  • Poder utilizar um computador para processar, guardar e gerir informação.
  • Poder utilizar um processador de texto para elaborar e reutilizar documentos escritos multimédia (com imagens, gráficos, cor e texto) para comunicar ou expressar as suas ideias.
  • Poder utilizar uma folha de cálculo para efectuar simulações e cálculo numérico, como forma de suporte à decisão e construção de modelos de suporte ao raciocínio.
  • Poder utilizar um navegador de páginas Web, de forma a pesquisar e recolher informação em formato hipermédia disponível na Internet e mais concretamente na World Wide Web, assim como usar diversos serviços disponibilizados na Internet como é o caso do correio electrónico, para enviar e receber mensagens e informação.
  • Poder utilizar um programa de apresentações para expor ideias, projectos e argumentos de forma a envolver grupos de pessoas e possibilitar a partilha de conhecimento.

Obviamente que com este texto apenas se pretende apresentar uma ajuda (uma introdução) e, dessa forma, servir como ponto de partida para novas explorações. É que, apesar de todas as tecnologias e ajudas que actualmente existem, a aprendizagem é ainda um esforço de cada um cujo resultado reverte para o próprio, mas que pode ser vivenciado de forma colaborativa e como uma experiência divertida – é que para gostar, é preciso conhecer!

CV dos autores

Nuno Magalhães Ribeiro é doutorado em Ciência da Computação pela Universidade de York, tendo realizado trabalho de investigação na área das interfaces multimédia inteligentes. Possui o grau de Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores, especialização em Telecomunicações e Multimédia, e a Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores, ramo de Informática e Sistemas, ambos pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP). Participou, desde 1992, em projectos de investigação e desenvolvimento nacionais e internacionais no Centro Multimédia da Universidade do Porto (CMUP), no Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores (INESC), e actualmente desenvolve actividade de investigação no Centro de Estudos e Recursos Multimediáticos (CEREM) da Universidade Fernando Pessoa, onde preside ao capítulo Português do grupo de Interesse em Interacção Homem-Máquina (SIGCHI) da ACM. Actualmente, é Professor Auxiliar na Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Fernando Pessoa, leccionando, no âmbito do curso de Engenharia Informática, disciplinas nas áreas de Multimédia, Sistemas de Autoria Multimédia, Codificação e Representação Multimédia, Interacção Homem-Máquina, Sistemas Digitais e Informática. Os seus interesses de investigação actuais centram-se na conjugação de tecnologias multimédia interactivas com tecnologias de computação móvel, como parte de sistemas de ensino à distância, e na concepção de ambientes virtuais no contexto de presença social. Tem participado activamente em actividades e projectos de concepção, e teste, de aplicações multimédia interactivas.

Luis Borges Gouveia é Doutorado (UK, Lancaster, 2002) em Computação com tese sobre Ambientes Virtuais e Partilha do Conhecimento, possui o Mestrado (FEUP, 1995) em Engenharia Electrotécnica e Computadores, com dissertação sobre Aplicações Multimédia para o Sistema de Informação da empresa, e a licenciatura (UPT, 1989), em Matemáticas Aplicadas / Informática, tendo realizado um trabalho de final de curso sobre o serviço Videotex. Actualmente é Professor Auxiliar na Faculdade de Ciência e Tecnologia na Universidade Fernando Pessoa e responsável pela concepção e estratégia do projecto Gaia Global, a iniciativa de cidade digital de Gaia. Os seus interesses passam pelas implicações que a utilização dos computadores e telecomunicações tem na nossa concepção de espaço e de tempo. Possui cerca de uma centena de trabalhos científicos publicados em livros, revistas e actas de conferencia de carácter científico. Possui página Web e um diário digital (BLOG).

Paulo Alexandre Lima Rurato é Doutorado em Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro (2008) com tese na área do Ensino a Distância. Mestrado em Políticas de Desenvolvimento dos Recursos Humanos, pelo ISCTE Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (1999), o Estágio de Advocacia (1992) e a Licenciatura em Direito pela Universidade Portucalense (1990).  Possui mais de uma de dezena de comunicações em actas de congressos e revistas científicas É Assistente na Universidade Fernando Pessoa, desde 1994, tendo leccionado, entre outras, as disciplinas de Introdução á Informática ao 1º Ano dos cursos de Medicina Dentária, Gestão, Ciências da Comunicação, Psicologia e Serviço Social; Dentária, Ciências Farmacêuticas, Gestão, Economia e Finanças, Ciências da Comunicação; Ciências da Reabilitação, Enfermagem, Análises Clínicas e Saúde Pública, Psicologia (Social e do Trabalho); Antropologia; Engenharia Publicitária, Literatura Comparada; e de Informática Aplicada, a Marketing; Engenharia da Qualidade; Engenharia Publicitária, e Engenharia da Qualidade; Psicologia Social e do Trabalho; Foi consultor de empresas, nomeadamente da Real Estrutura - Sociedade de Gestão de Condomínios, Lda., da Fluxfin - Organização e Consultoria de Empresas, Lda., da Sociedade Transformadora de Alumínios, S.A. e da Associação Industrial Portuense 

Comments